Conheça as acções de formação que temos para si ao longo desta Temporada. São sempre muito práticas e, na sua maioria, dirigidas a públicos profissionais das áreas da música e do ensino, visando dotá-los de ferramentas úteis ao seu trabalho diário. Mas há também o Curso Livre de História da Música, aberto a todos e apontado a contribuir para que, com mais conhecimento, os participantes possam também desfrutar melhor da música que ouvem. Descubra por si.

Abertas a um vasto leque de potenciais interessados, estas acções formativas propõem novas e diferentes respostas para necessidades práticas do trabalho com a música. Visam ajudar a capacitação de pessoas que, estando no terreno, desejam produzir mais e melhor – daí os seus muitos destinatários: professores dos ensinos pré-escolar, básico e secundário, músicos, formadores, programadores, artistas digitais, auxiliares de acção educativa, entre outros. Com os projectos do Formar na Casa mostra-se a música enquanto elemento activo no processo de educação, indutor da lógica e da criatividade, mas também auxiliador na gestão das emoções.

JIM PAPOULIS formador

Jim Papoulis é um músico, compositor e produtor norte-americano que tem desenvolvido um trabalho de valor incalculável com coros infantis, tanto em termos técnicos e artísticos como de consciência ética e social. Nesta formação, particularmente dirigida a músicos, professores, directores de coros e formadores que habitualmente trabalham com grupos vocais de crianças e jovens ou classes de conjunto, são partilhados truques e técnicas – também a partir de repertório do próprio Jim Papoulis – que ajudam a apurar aspectos fundamentais no desenvolvimento vocal de um coro. 

domingo 10:00-13:00 sala de ensaio 1 Músicos, formadores, professores e directores de coros € 18

ANTÓNIO MIGUEL TEIXEIRA e SOFIA NEREIDA formadores

— 

Os novos tempos redobram a importância de trabalharmos com os mais velhos, em especial no contexto de lares e centros de dia, para que o ímpeto criativo e a abordagem positiva da vida não esmoreçam. Esta formação, especialmente dedicada a quem trabalha com cidadãos seniores, reflecte sobre aspectos como as técnicas de ensino ou a escolha de repertório que melhor potenciam a interacção desejada. 

sábado 14:30-18:30 sala de ensaio 2 Músicos, formadores, técnicos da área social e auxiliares da área social que desenvolvem trabalho com cidadãos seniores € 18

ISABEL GONÇALVES e JOANA ARAÚJO formadoras

— 

Muitos dos profissionais que trabalham com bebés e crianças até aos seis anos sentem uma grande dificuldade em encontrar o repertório mais correcto para esta faixa etária. É, por isso, a educadores e auxiliares que se destina o nosso Cantar com Bebés, no sentido de os ajudar a encarar a voz como forma maior de comunicação. O repertório, ajustado à extensão vocal de crianças dos zero aos seis anos, promove os jogos de sons e a interacção vocal. 

sábado 14:30-18:30 sala de ensaio 2 Músicos, formadores, professores do ensino pré-escolar e auxiliares de acção educativa € 18

WORTEN DIGITÓPIA formadores

Software que providencia ferramentas para criação de som, música, vídeo e aplicações/ instalações interactivas, o Max/MSP está no centro desta formação, que introduz os participantes à programação musical, cria pequenos patches generativos, partilha princípios de composição, disponibiliza metodologia subjacente à criação de conteúdos, define boas práticas na programação para instalações e obras com electrónica em tempo real e promove a integração com o Ableton Live. 

sábado 14:30-18:30 sala de ensaio 2 Músicos, programadores, professores e outros interessados na música electrónica e nas artes digitais € 18
os participantes são convidados a trazer o seu computador pessoal
PEDRO NEVES

O Curso Livre de História da Música procura renovar-se a cada ano, com temas originais e abordagens adequadas a qualquer melómano. Assim, procura enriquecer e complementar a experiência única da audição de boa música. A viagem começa com o sinfonismo romântico alemão. A ligação da música instrumental à interioridade metafísica encarnou, de forma muito particular, o pensamento filosófico germânico e reflectiu-se em obras marcantes da História da Música. A música popular, em especial o punk e o heavy metal, marcaram a contestação a valores culturais dominantes, que se impuseram, de forma especial, em regimes autoritários. Culturas de juventude e protesto promoveram esses géneros numa Alemanha dividida durante a segunda metade do século XX. A pequena cidade de Darmstadt foi o epicentro de uma revolução musical. Na segunda metade do século XX, compositores de todo o mundo juntaram-se num esforço de recuperação e intensificação das vanguardas musicais numa Europa em reconstrução. O passado musical alemão é revisitado numa viagem pela “música antiga” de um espaço cultural e geográfico muito diferente da Alemanha actual. Terminamos com uma abordagem ao espaço como conceito musical, associado ao movimento e ao gesto que evidenciam a relação do corpo com as práticas musicais.

MIGUEL ALMEIDA
JOÃO SILVA
segundas 17:30–19:15 sala 2 MÓDULO € CURSO NA TOTALIDADE € CARTÃO AMIGO 25 %  

Comprar:

DANIEL MOREIRA

A falta de músicos preparados para dinamizar actividades com comunidades e liderar intervenções criativas levou-nos a criar este curso logo em 2005. 17 anos depois o panorama está melhor, mas a pertinência da nossa proposta formativa e artística prevalece. São já mais de 200 os músicos que este programa realizado ao longo de cada ano lectivo permitiu formar. Uns estão inseridos em projectos disseminados pelo país, outros desenvolvem trabalho nos mais variados pontos do mundo. E muitos são hoje formadores deste Serviço Educativo. Improvisação, interacção, liderança e trabalho em equipa são competências potenciadas num programa de criação e animação musical associado a projectos artísticos com comunidades de distintos contextos socioculturais. A formação – orientada por criadores reconhecidos internacionalmente – é também uma oportunidade de os formandos se valorizarem enquanto performers, constituindo-se como ensemble musical. No final do ano, todas estas vertentes são linguagens que convergem para o Sonópolis.

€ 125 POR MÓDULO (TOTAL DE 3 MÓDULOS)

Inscrições:

Envio de CV até dia 02 de outubro.
SAM MASON e TIM STEINER formadores 
PAUL GRIFFITHS e PETE LETANKA formadores 
SAM MASON e TIM STEINER formadores 

A Casa da Música apresenta mais uma edição da Academia de Verão, que inclui concertos, workshops de instrumentos e uma masterclass de direcção com Peter Rundel, maestro titular do Remix Ensemble. Para trabalharem os programas propostos, na sua maioria obras contemporâneas, são seleccionados alunos de direcção e músicos provenientes de vários pontos do globo. O resultado é apresentado no concerto de encerramento da Academia, dia 23 de Julho, na Sala Suggia, onde os participantes, dependendo das suas funções, têm a oportunidade de tocar com os instrumentistas do Remix Ensemble ou de dirigir uma das obras em programa. Durante o período de trabalho é comum haver pequenas apresentações de música de câmara. Os instrumentistas participantes podem ainda passar a integrar a lista de reforços do Remix e reaparecer como músicos convidados do agrupamento na sua programação regular.

MÚSICOS DO REMIX ENSEMBLE formadores 13 a 23 de julho Concerto final: 23 de julho · 18:00 sala suggia 

Mais informação:

Enche-nos de alegria e entusiasmo o regresso de um dos mais emblemáticos projectos da Casa da Música, distinguido em 2010 com o prémio Norte Inclusivo da CCDR-N. A Casa Vai a Casa leva a actividade que desenvolvemos dentro de portas àqueles que não têm como vir até nós: instituições de pessoas com necessidades especiais, estabelecimentos prisionais, centros de dia, hospitais. Juntos trabalhamos em pequenos projectos, desenhados e feitos à medida de cada uma das comunidades, que por regra culminam com uma apresentação ao público. 

Mais informações através de seducativo@casadamusica.com 

CLÁUDIO CÉSAR RIBEIRO, DANIEL SOUSA, JORGE PRENDAS, PAULO COELHO DE CASTRO e TIAGO OLIVEIRA direcção artística 

UTENTES DA LIGA PARA A INCLUSÃO SOCIAL interpretação

Projecto artístico que conta já mais de uma década, o Som da Rua é um ensemble inclusivo, sempre de porta aberta, composto por homens e mulheres que conhecem a dura realidade das ruas. Um projecto que é poesia da cidade, com as suas sombras na alma e que se afirma como uma luz que teima em resgatar a vida. Nem que por breves momentos. Com repertório autoral bastante vasto, preenchido também por temas assinados por compositores conhecidos, esta orquestra foi criada no final de 2009, no âmbito do programa A Casa vai a Casa e de uma parceria do Serviço Educativo com instituições do Grande Porto, consolidando-se ano após ano pelo seu valor artístico e social.

Todos os anos recebemos centenas de alunos (e não só) nestes ensaios realizados pela Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música. A porta está aberta a quem queira assistir aos testes finais de grandes obras e descobrir como trabalha uma orquestra, como se combinam os sons, como se descodificam os gestos. Antes de cada ensaio – de acesso livre – produzimos um guião, de modo a que o público possa saber e conhecer melhor o que vai ouvir.

2022 07+21 de outubro / 04+25 de novembro / 16+23 de dezembro
2023 06+13+27 de janeiro / 10+17+31 de março / 28 de abril 05+19 de maio / 02+30 de junho 
sextas 10:00 sala suggia
Admissão de grupos através de seducativo@casadamusica.com 
Lotação limitada ENTRADA LIVRE 

Concebido inicialmente para o primeiro ciclo do ensino básico, o Orelhudo! viu o seu uso alargado a um grupo cada vez mais amplo de educadores, do pré-escolar ao ensino vocacional de música, e hoje é um conteúdo de acesso universal, entrando sem restrições quer nas salas de aula quer em nossas casas. Trata-se de uma ferramenta que possibilita a audição musical diária, enquadrando os temas que disponibiliza em acontecimentos ou efemérides inscritos no calendário civil. Uma forma didáctica e divertida de relacionar a música com a História, que transcendeu ao longo do tempo o contexto escolar para que foi pensada, assumindo presentemente um papel importante nas redes sociais da Casa da Música. Livre e de fácil utilização, contempla as mais diversas sonoridades de todo o planeta, num espectro que vai do repertório erudito à música electrónica, e também por isso viaja pelo mundo, entrando em milhares de casas onde se fala a língua portuguesa. O seu uso familiar atribui-lhe um carácter lúdico, pois suscita a curiosidade das crianças sobre a música de cada dia e permite aos pais, com base nos textos associados, esclarecerem-nas sobre as razões da sua escolha para a respectiva data. Além da versão normal, existe também a versão professor, que faculta aos docentes um uso ainda mais eficaz desta ferramenta. É um verdadeiro plano nacional de audição, um projecto em constante progressão que terá já este ano novas funcionalidades, de modo a potenciar uma partilha cada vez mais fácil e estimulante nas redes sociais. Visite-nos em orelhudo.casadamusica.com

Mais informações e sugestões orelhudo@casadamusica.com 

Levamos a Casa connosco pelo mundo fora, dando a conhecer a todos os interessados os projectos educativos que aqui se realizam: as nossas oficinas, os nossos espectáculos, as nossas formações. Ao longo dos últimos anos, têm sido muitas as solicitações para que viajemos e, se hoje a Casa da Música é reconhecida nacional e internacionalmente como uma referência na área da educação, enquanto estrutura formadora, produtora e criadora de conteúdos artísticos, também a isso o deve, razão pela qual vamos sempre empolgados e de sorriso aberto, seja ao Japão – onde o nosso programa de formação e de oficinas com o Tokyo Bunka Kaikan, iniciado em 2013, é talvez o melhor exemplo desta actividade itinerante – seja ao Brasil, à Holanda, a Espanha, ao Luxemburgo ou às mais variadas cidades do nosso País.

WORTEN DIGITÓPIA concepção e desenvolvimento 

Instrumento musical que utiliza um sensor tridimensional e software open-source desenvolvido pela Worten Digitópia, o Sonorium permite transformar o espaço em som. Quando ocupados pelo público, vários pontos da Sala Laranja disparam diferentes sons, e assim torna-se possível criar música através do movimento e da interacção com o espaço, em grupo ou individualmente. Ao longo do tempo, temos criado para o Sonorium uma série de paisagens sonoras que, além de serem usadas em oficinas do Serviço Educativo, servem também para os frequentadores das visitas guiadas ficarem a conhecer esta ferramenta. E vamos continuar a aumentar a nossa livraria de sons, por forma a diversificar a experiência sonora de muitos dos que nos visitam. 

Auditório de Galícia, Santiago de Compostela