Entre os novos valores e os artistas consagrados, Maio é um mês cheio na Casa da Música. Comecemos pelos primeiros, celebrados com cinco recitais de grande nível do ECHO Rising Stars. Por outro lado, as certezas do nosso tempo dão forma a uma agenda de concertos imperdível que junta a Orquestra Sinfónica a solistas de grande prestígio: a violinista Carolin Widmann interpreta Jörg Widmann, o seu irmão compositor que estará presente também como maestro; Leticia Moreno toca o segundo Concerto para violino de Prokofieff; a soprano Eduarda Melo canta poemas de Maurice Bouchor musicados por Ernest Chausson; e o pianista/maestro Christian Zacharias toca Schumann. A Orquestra Barroca conta com o também pianista e maestro Andreas Staier, num programa com música de Mozart e Haydn, e o Ciclo de Piano prossegue com um aguardado recital de Alexandre Tharaud.

A música contemporânea faz-se ouvir pelo Remix Ensemble, num programa dedicado à compositora britânica Rebecca Saunders, no qual se destaca a estreia nacional de uma obra co-encomendada pela Casa da Música. A nova música portuguesa é a aposta do Coro Casa da Música e também do Sond’Ar-te Electric Ensemble. O rock celebra-se com bandas icónicas como Einstürzende Neubauten e God is an Astronaut, e a montra das músicas populares abre-se no Café, do jazz e das canções à música de dança e à MPB. Não perca também as oficinas e os concertos para as famílias e mais um módulo do Curso Livre de História da Música, este dedicado às canções de protesto do Porto pré-revolucionário.

Todos os anos, a European Concert Hall Organisation selecciona um grupo de artistas talentosos para o seu ciclo Rising Stars. Estes artistas tocam em digressão pelas salas de concerto associadas à rede ECHO. O ECHO Rising Stars existe desde 1995 e deu origem a carreiras musicais de muitos dos principais artistas internacionais da actualidade. O objectivo é revelar artistas jovens e brilhantes a novos públicos internacionais, oferecendo aos músicos seleccionados oportunidades únicas de apresentarem os seus programas nas principais salas de concerto da Europa. Em 2022 pisam o palco da Sala 2: Johan Dalene, Ben Goldscheider, Simply Quartet, Kebyart Ensemble e Lucie Horsch.

REMIX ENSEMBLE CASA DA MÚSICA

PETER RUNDEL direcção musical

NOA FRENKEL meio-soprano

ANTÓNIO AUGUSTO AGUIAR contrabaixo


REBECCA SAUNDERS Us Dead Talk Love, para alto e ensemble (estreia em Portugal; encomenda Südwestrundfunk, Casa da Música, November Music, GRAME – Centre national de création musicale, Huddersfield Contemporary Music Festival e Felicja Blumental International Music Festival)

REBECCA SAUNDERS Fury II, para contrabaixo e ensemble

-

JOHANNES BRAHMS/EBERHARD KLOKE Vier ernste Gesänge

REBECCA SAUNDERS A visible trace



A retrospectiva da obra de Rebecca Saunders continua pelas mãos dos músicos do Remix Ensemble e com a direcção musical de Peter Rundel. E é caso para dizer que do maestro não se pode prescindir: a compositora indicou na partitura que Visible Trace era especificamente escrita para 11 solistas e maestro. Co-encomendada pela Casa da Música, Fury II representa uma expansão de Fury I, dedicada ao contrabaixista do Remix Ensemble, António Augusto Aguiar, solista convidado desta peça. Quem também regressa ao palco da Suggia para acompanhar o agrupamento é a contralto Noa Frenkel, que estreia a nova peça da compositora inglesa. O programa inclui ainda um arranjo da música de Johannes Brahms, realizado pelo alemão Eberhard Kloke, compositor que se tem dedicado a arranjos de inúmeras obras de figuras como Wagner, Brahms, Schubert e Mahler.


Como tem sido habitual na Casa da Música, assinala-se o aniversário de nascimento da pianista e pedagoga portuense Helena Sá e Costa. Nascida no Porto a 26 de maio de 1913, desenvolveu uma carreira internacional e contribuiu para a formação de muitos músicos. Em 2022, o Tributo a Helena Sá e Costa divide-se em quatro eventos: um recital, dois concertos com piano e orquestra e a habitual Maratona de Teclistas. Do espírito do Classicismo Vienense encarnado no pianoforte de Andreas Staier ao virtuosismo romântico veiculado por Christian Zacharias, presenças habituais na Casa da Música, propomos uma festa em torno do piano. O pianista francês Alexandre Tharaud apresenta-se, pela primeira vez, na Sala Suggia. A Maratona de Teclistas reflecte o panorama do ensino da música em Portugal. Presencialmente e à distância, a juventude celebra o legado pedagógico de Helena Sá e Costa num evento participativo dedicado à sua memória.

Em Maio regressam os concertos no Café Casa da Música. São oportunidades de conhecer novos valores da música portuguesa ou artistas estrangeiros a residir em Portugal. Sempre à quinta-feira, pelas 22:00. A entrada é livre. Neste mês não perca Mirror People, Pedro Luís, Miles Davis Legacy e Francisco Rua.

maio